menu

ouça ao vivo

ouça ao vivo

Publicidade

Publicidade

Nasa quer aposentar Estação Espacial Internacional até 2031 e jogá-la no Pacífico

A Nasa tem a intenção de continuar operando a Estação Espacial Internacional (ISS, na sigla em inglês) até o final de 2030, e após isso, a ISS colidiria com uma parte remota do Oceano Pacífico conhecida como Ponto Nemo, de acordo com os planos recém-publicados sobre o seu futuro.

Inaugurado em 2020, o laboratório espacial orbitou 227 milhas náuticas (cerca de 420 quilômetros) acima da Terra com mais de 200 astronautas de 19 países diferentes desfrutando de um tempo a bordo — representando uma presença humana contínua no espaço.

A Nasa disse que as plataformas espaciais operadas comercialmente substituiriam a ISS como um local para colaboração e pesquisa científica.

“O setor privado é técnica e financeiramente capaz de desenvolver e operar destinos comerciais em órbita baixa da Terra, com a assistência da Nasa . Estamos ansiosos para compartilhar nossas lições aprendidas e a experiência de operações com o setor privado para ajudá-los a desenvolver destinos seguros, confiáveis e de bom custo-benefício no espaço”, disse Phil McAlister, diretor de espaço comercial na sede da Nasa , em um comunicado.

Cemitério espacial

No Relatório de Transição da Estação Espacial Internacional, a Nasa disse que o plano era para a ISS cair na Terra em uma área conhecida como “Área Desabitada Oceânica do Pacífico Sul” — também conhecida como Ponto Nemo. O orçamento estimado no relatório presume que a saída de órbita aconteceria em janeiro de 2031.

Nomeado em homenagem ao marinheiro submarino no romance de Júlio Verne “Vinte Mil Léguas Submarinas”, o Ponto Nemo é um local no oceano mais distante da costa e tem sido um túmulo aquático para muitas outras naves espaciais.

A área fica a aproximadamente 3.000 milhas (cerca de 4.828 quilômetros) da costa leste da Nova Zelândia e 2.000 milhas (cerca de 3219 quilômetros) ao norte da Antártida e estima-se que nações que viajam pelo espaço como EUA, Rússia, Japão e países europeus, tenham afundado mais de 263 pedaços de detritos espaciais desde 1971.

O relatório mostra que a ISS realizaria manobras precisas que garantiriam uma “entrada atmosférica segura”.

Terceira década

A ISS não descansará sobre o seu prestígio nos próximos oito anos. A Nasa disse que as metas para a próxima década incluem o uso da ISS como um “análogo para uma missão de trânsito em Marte”, de acordo com o relatório.

“A Estação Espacial Internacional está entrando em sua terceira e mais produtiva década como uma plataforma científica inovadora em microgravidade”, disse Robyn Gates, diretor da Estação Espacial Internacional na sede da Nasa , no comunicado.

“Essa terceira década é um dos resultados, com base em nossa parceria global bem-sucedida para verificar tecnologias de exploração e pesquisa humana para apoiar a exploração do espaço profundo, continuar com o retorno de benefícios médicos e ambientais à humanidade e trilhar um caminho em preparação para um futuro comercial em órbita baixa da Terra.”

“Esperamos maximizar esses retornos da estação espacial até 2030, enquanto planejamos a transição para destinos espaciais comerciais que virão em seguida.”

A estação espacial tem sido o lar de muitas novidades científicas. O primeiro item a ser impresso em 3D na estação espacial ocorreu em 2014. A astronauta da Nasa , Kate Rubins, sequenciou DNA no espaço pela primeira vez em 2016. E o quinto estado da matéria, chamado de condensado de Bose-Einstein, foi produzido no espaço pelo laboratório Cold Atom Lab da Nasa na estação em 2018.

Astronautas aprenderam a cultivar alfaces e verduras no espaço. A primeira salada cultivada no espaço foi amostrado por astronautas em 2015. Agora, eles estão até cultivando rabanetes e pimentas na estação. Isso poderia ser usado para, um dia, ajudar os astronautas a cultivar sua própria comida em missões no espaço profundo.

A China, com seus astronautas que há muito foram excluídos da ISS, lançou o primeiro módulo de sua estação espacial no ano passado. Embora não seja tão grande quanto a ISS, espera-se que a estação espacial chinesa esteja totalmente operacional até o final deste ano.

A Rússia disse que deixará o projeto da ISS em 2025 e planeja construir sua própria estação espacial que pode ser lançada em 2030.

Redação: Rádio SIM FM | 02/02/2022

Compartilhe este post.

Share on whatsapp
Share on telegram
Share on facebook
Share on twitter
Share on email

Posts Relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *